03 outubro 2022

actas XXIV Jornadas Culturais de Balsamão


Estão já disponíveis as actas das XXIV Jornadas Culturais de Balsamão, se que realizaram em Setembro e outubro de 2021. A minha contribuição diz respeito a Carção e ao diálogo entre as duas comunidades, a dos Marranos e a dos Cristãos-velhos, aí existentes e ao papel da festa (novena) da Senhora das Graças, padroeira da aldeia, enquanto mediadora social e cultural.

28 setembro 2022

estou a escrever!

Gosto muito da ideia de Roland Barthes de que "escrever" é um verbo intransitivo. Não precisa da pergunta: "o quê". (...) O verbo escrever, para mim, não exige esclarecimentos. Está todo e completo nele próprio. Estou a escrever!
(Gonçalo M. Tavares, in Jornal de Letras nº 1356, Setembro 2022)

para fim de conversa

Bem perto da Santa Maria Adelaide, esplanada de afamado café, pão-quente e restaurante, com grande freguesia e elevada rotação. Vim sem pressa, obedecendo ao horário da minha criança, com intenção de aproveitar esse tempo para revisão de textos. Não o fiz porque os meus ouvidos depressa se instalaram na mesa ao lado da minha, onde duas mulheres, mãe e filha, conversavam sobre o bricabraque das suas vidas, até que ouço:
- Porque não te casas?
- Mas vou casar porquê?... e para quê?
- Ó filha! Para quê?... então, não achas que ficavas melhor, mais segura, se casasses?
- Não Mãe, nada disso. O Xxxxx não quer saber disso e eu também não... ele faz a vida dele e eu faço a minha...
- Pois é, isso não tem jeito nenhum. Onde já se viu?... cada um a fazer a sua vida...
- Mãe! Tu quiseste casar. Eu não quero. Acabou a conversa.

22 setembro 2022

ecofeminismos no gato vadio






O primeiro debate mensal da revista Ecossocialismo na livraria do Gato Vadio - Porto.

15 setembro 2022

festividades, culturas e comunidades (ebook)

Acaba de ser publicado o livro (versão ebook) "festividades, culturas e comunidades - património e sustentabilidade". Livro de actas que resulta do congresso realizado em Maio na Universidade do Minho e no qual eu participei. É de acesso universal e gratuito, portanto, aqui fica o link para a publicação.

12 setembro 2022

movimento suspenso

Enquanto espero pelo resto da família, sento-me para um café, um copo de água e, talvez, uma leitura de ocasião. Estou num café bastante concorrido e, ao olhar à minha volta, encontro à minha frente, sozinho, um indivíduo de meia idade a tomar café. Aquilo que me reteve a atenção nele foi o facto de estar com a revista LER aberta à sua frente, enquanto adoçava e mexia a sua bebida. Com os olhos sempre na revista, pegou na chávena e aproximou-a da boca, mas a determinado momento suspendeu esse movimento e ficou com o braço no ar e a chávena suspensa na mão, a meio caminho entre a mesa e a boca. Continuou a ler e o café suspenso, ainda fez uns ligeiros movimentos de aproximação, mas a leitura continuava a mantê-lo refém e toda a sua atenção no que lia. Só passados alguns minutos, talvez quando terminou um texto ou artigo, ou chegou a uma parte do texto menos interessante, e quando o café já estaria de certeza frio, é que resolveu finalizar aquele movimento inicial e, depois, lentamente pousar a chávena no respectivo pires. Fechou a revista, levantou-se e foi embora.

08 setembro 2022

peaky fucking blinders

(roubada do google)

Há vários meses referenciada e em lista de espera, aproveitei os dias, ou melhor, as noites mal dormidas de Agosto para visualizar as seis temporadas (36 episódios) de Peaky Blinders. Fiquei logo preso no primeiro episódio da primeira temporada: o ambiente, a realização, o enredo, os diálogos e, acima de tudo, a banda sonora, obrigaram-me a ficar amarrado à saga desta família (gangue) inglesa. Com uma narrativa sobre as aventuras da família Shelby e, em particular, do seu líder - Thomas Shelby, a série conta com personagens muito peculiares, das quais eu destacaria o irmão Arthur Shelby (actor Paul Anderson) - de quem roubei a expressão que dá título deste texto, a personagem do judeu Alfie Solomons (actor Tom Hardy) e a personagem de Polly Gray, interpretada pela actriz Helen McCrory (que faleceu durante as filmagens).
A conjugação entre os cenários e ambientes, a realização e a banda sonora é de uma qualidade e bom gosto, que dificilmente poderemos encontrar melhor. Para além do grande tema da série "Red Right Hand" de Nick Cave, interpretado por Patti Smith, são escolhas musicais Anna Calvi, Joy Division, Idles, Count Basie ou The Smile, Puccini e Mozart.
Segundo consta a série não terá continuação, apesar de no último episódio da sexta temporada ficar no ar essa possibilidade. Dizem, entretanto, que a série dará origem a um filme. A ver vamos.

restos de Verão

O regresso a casa, depois de uns dias de descanso em Trás-os-Montes e uma escapadela a Madrid, permite ainda alguns dias de tranquilidade, aproveitados para organização e preparação do novo ano que agora iniciará, para rever informações recolhidas durante os breves e insuficientes momentos de trabalho de campo e para ficar junto ao mar, com a praia quase deserta, sossegado e sem a confusão habitual do tempo de veraneio. Se o clima permitir é para aqui que virei nos próximos dias, até que o Verão se esvaneça e dê lugar aos bonitos dias outonais.
(Francelos, 2 de Setembro de 2022)

06 setembro 2022

05 setembro 2022

tudo o que está errado

O modelo de capitalismo que hoje domina é cada vez mais incompatível com a democracia, mesmo com a democracia de baixa intensidade em que vivemos, uma democracia centrada em democratizar as relações políticas e deixando que continuem a imperar os despotismos nas relações económicas, sociais, raciais, etnoculturais e de género. Refiro-me à prioridade dos mercados sobre os Estados na regulação económica e social; à transformação em mercadoria de tudo o que puder geral lucro, incluindo o nosso corpo e a nossa mente, as nossas emoções e sentimentos, as nossas amizades e nossos gostos; relações internacionais dominadas pelo capital financeiro e pelos super-ricos. O crescimento global das forças de extrema direita é o mais visível sintoma da crise profunda da democracia.
(Boaventura de Sousa Santos, in Jornal de Letras nº 1352, Julho e Agosto de 2022)

museu nacional do Prado

(imagem retirada da wikipedia... pois no museu não é permitido tirar fotografias)

Mal nos instalamos no hotel, bem no centro da cidade, e a Emília logo nos levou a deambular pelas ruas e avenidas que ela considera principais de Madrid. Descemos a Gran Via em direcção ao Banco de Espanha e à Fuente de Cibeles. Descansamos um pouco à sombra das árvores do Passeo del Prado e, de seguida fomos visitar este museu. Confesso que era o único local que fazia questão de visitar nesta cidade e, também por isso, optei por pagar bilhete e não esperar pelo horário gratuito.
Impressionante, a colecção do Museu com cerca de 1800 obras de vários autores, diferentes escolas e épocas, que ocupa mais de cem salas e galerias de exposição permanente. O lugar de destaque é ocupado pela obra "as meninas" (1656) de Diego Velázquez, mas a minha epifania aconteceu quando dei de frente com a obra "Cristo crucificado" (1632), do mesmo pintor. Regressei à sua sala duas ou três vezes... De entre o muito e bom que lá pude ver, foi a imagem poderosa desse quadro que trouxe comigo.
(Madrid, 27 de Agosto de 2022)

Madrid

Num esforço familiar, opcional e deliberado, nos últimos anos temos viajado para Espanha e suas diferentes regiões e cidades. O objectivo será conhecer as principais cidades do país vizinho e, neste momento, as nossas incursões já nos permitiram conhecer grande parte do território, faltando apenas(!?) o Sul de Espanha e, em particular, Sevilha e Valência. Para além da proximidade e fácil acesso, gosto de Espanha, da sua gastronomia e do uso que os espanhóis dão às horas dos seus dias. Nestes últimos dias de Agosto viajámos até Madrid, capital do Reino e uma das principais capitais europeias. Madrid é uma metrópole que atrai e comporta uma população heterogénea e multicultural, de diferentes proveniências e origens, algo que se percebe nas deambulações pela urbe. Ficámos hospedados no centro histórico, nas imediações da praça Maior, e por isso, pudemos constatar a permanente bulício da vida diurna e nocturna da cidade e a dedicação quase exclusiva das actividades ao turismo e suas variantes. Sob a orientação da Emília, que já conhecia e adora a cidade, percorremos as principais artérias e visitámos os pontos turísticos e culturais mais reconhecidos. Gostei de visitar e "conhecer" Madrid, mas não será cidade que motive nova viagem. Outros e novos destinos espanhóis nos aguardam e merecerão a nossa atenção. E a Galiza, claro, que continuará a ser destino preferido, sempre que possível, para animar a alma e o palato.
(Bragança, 29 de Agosto de 2022)

interrogação existêncial

" Vale a pena ler este trecho de Umberto Eco, do livro A Memória Vegetal:
Mas o bibliófilo também sabe que o livro terá longa vida, e percebe isso justamente ao examinar com olhos amorosos as próprias estantes. Se toda aquela informação que acumulou tivesse sido gravada, desde os tempos de Guttenberg, em suporte magnético, teria conseguido sobreviver por duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos, quinhentos e cinquenta anos? E teriam sido transmitidas, com os conteúdos das obras, as marcas de quem as tocou, consultou, anotou, maltratou e repetidas vezes sujou com impressões digitais? E poderia alguém apaixonar-se por uma disquete como se apaixona por uma página branca e dura que faz craque-craque sob os seus dedos como se acabasse de sair da prensa?
Como é belo um livro, que foi pensado para ser tomado nas mãos, na cama, num barco, onde não existem tomadas eléctricas, onde e quando qualquer bateria descarregou, e suporta sublinhados e cantos dobrados, e pode ser deixado cair no chão ou abandonado aberto no peito ou sobre os joelhos quando se adormece, cabe no bolso, estraga-se, registando assim a intensidade, a assiduidade ou a regularidade das nossas leituras, e nos recorda (se parecer intocado ou estiver intonso) que ainda não o lemos... "
(Afonso Cruz, in Jornal de Letras nº 1352, Julho e Agosto de 2022)

XXV Jornadas Culturais de Balsamão




A celebrar os 25 anos de existência e de realização ininterrupta, o programa das próximas Jornadas Culturais, subordinadas ao tema "Memória e Futuro", já é conhecido e importa divulgá-lo. Eu vou lá estar e tenho como "missão" falar (especular) sobre o futuro das jornadas culturais. A quem possa interessar...

09 agosto 2022

prevenir, prevenir, prevenir

Posso estar a esquecer-me de outras frases, alertas ou avisos, que foram mote para a prevenção rodoviária em Portugal, mas não me recordo de uma frase tão adequada e eficaz para relembrar a quem vai na estrada para os perigos da velocidade, do álcool e dos telemóveis. Espalhada e repetida pelas auto-estradas de todo o país. Simples e pragmática. Muito bem.


(...e antes que duvidem, ou questionem, quem tirou esta fotografia com um telemóvel não ia a conduzir.)

04 agosto 2022

os livros que vão de férias comigo

Ainda faltam uma dezena de dias para rumar para a Terra Fria Transmontana, mas agora que me preparo para esses dias de férias fora de casa, momento importante é sempre a escolha dos livros que vão comigo. O primeiro critério para essa escolha é a vontade de os ler e o facto de, por alguma razão, ainda não o ter conseguido fazer. Depois, leituras atrasadas ou em falta, como este ano é caso do livro "ouvir o galo cantar duas vezes" de Paula Godinho. Claro que esta vontade inicial de ler todos os eleitos dificilmente será concretizada, até porque os elementos dissuasores serão muitos e há muitas outras formas interessantes de ocupar as horas desses dias... (quero também realizar algum trabalho de campo). Assim, viajarão comigo livros para ler e livros para ter por perto. Aqui está a pequena selecção de leitura para as próximas 3/4 semanas.

01 agosto 2022

05 julho 2022

escrever fotografias

A fotografia é muito mais do que um documento; ela é uma genuína inspiração para a mente, para as ideias e, depois, para o esforço da escrita; enquanto documento pode ser seminal, mas é enquanto inspiração que alcança a sua sublimação.