28 março 2014

fonte de eterna inspiração

Não conhecia André Gorz, jamais lera uma palavra da sua escrita, até que um dia destes tropecei nesta linda capa. Peguei nele e li-o ainda antes de o comprar. Bonito e sentido texto o autor escreve nesta carta dirigida à sua companheira de sempre. Escrito perto do final da vida de ambos, esta carta será o testamento das suas vidas, vividas lado a lado. De todas as passagens bonitas, marcantes e memoráveis que a sua leitura me deu a conhecer, há uma que pelo seu significado político e até essencialista, talvez pela empatia, me marcou:
"Tanto quanto consigo lembrar-me, sempre detestei o estilo de vida dito «opulento» e seus desperdícios. Tu recusavas seguir a moda e julgava-la segundo os teus próprios critérios. Recusavas-te a permitir que a publicidade e o marketing te dessem necessidades que não sentias. (...) Acabámos por adquirir, ao fim de dez anos, um Austin velho. O que não nos impediu, porém, de continuar a considerar a motorização individual como uma escolha política execrável, que põe as pessoas umas contra as outras, na pretensão de lhes oferecer o meio de se livrarem de um destino comum. Tinhas para as despesas correntes um orçamento que definias e gerias de acordo com as nossas necessidades. Faz-me lembrar que tu tinhas concluído, já aos sete anos de idade, que o amor, para ser verdadeiro, deve desprezar o dinheiro. Tu desprezava-lo." (páginas 68 e 69)


Ainda o estava a ler e já sabia a quem o ia oferecer. Assim fiz.

evolução epistemológica

Ir a uma consulta de clínica geral e depois de explicada a situação e identificadas as maleitas sentidas, ser aconselhado pela especialista em medicina geral e familiar a experimentar sessões de acupunctura e de yoga. Apesar destas serem já muito populares entre nós, nunca um especialista, formado e formatado pela academia e com um discurso historicamente hermenêutico e uma prática conservadora, me aconselhara sair da ciência positivista. Como evolui o conhecimento científico e vai incorporando ou normalizando todas as outras terapias, outrora irreconhecíveis e estigmatizadas.

17 março 2014

festival da canção

Tal como grande parte dos portugueses que tenham 30 ou mais anos, recordo os serões em que o país parava para assistir ao festival da canção. Durante décadas esse era um momento marcante da vida artística e do entretenimento nacional. Era sempre grande a expectativa para conhecer os artistas e os temas a concurso, assim como era com ansiedade que assistíamos à votação feita pelo júri descentralizado pelas capitais de distrito e, por incrível que pareça, acreditava-se na competência, justiça e na idoneidade desses painéis de jurados. Entretanto, o mundo mudou, tudo mudou e o evento, outrora, marcante e estruturante, perdeu centralidade, qualidade e, acima de tudo, perdeu razão de existir. Não se percebe a insistência da RTP num formato esgotado e que pouco dignifica o serviço público de televisão. Este ano, por razões "amigas", assisti aos dois episódios, ou melhor, às duas partes do festival e fiquei muito embaraçado, sentindo mesmo vergonha alheia, com o espectáculo de uma tristeza confrangedora que os meus olhos podiam ver. Silvia Alberto e José Carlos Malato bem tentavam manter a dignidade da coisa, mas perante o vazio de conteúdo, a falta de entusiasmo do pouco público presente e a fraca prestação dos concorrentes, era notório o desconforto. Por muito que repetissem que o ambiente estava fantástico, por muito que gabassem os temas e os seus intérpretes, percebia-se mesmo através da TV que estávamos perante um tremendo acto falhado da RTP com direito a apupos e vaias para o vencedor. Desconheço o resultado das audiências, mas até o facto de a votação ser feita pelos telespectadores, através de telefone, demonstra bem a dimensão do concurso. Depois, se repararmos com atenção, são sempre os mesmos: apresentadores, concorrentes, produtores, convidados, homenageados, etc. Dá a sensação de haver uma clique de privilegiados que carece deste espaço para justificarem a sua existência e que cristalizaram, ou mesmo, fossilizaram julgando deter a exclusividade da música ligeira em Portugal e que não se aperceberam que o mundo que os rodeia evoluiu par algo diferente. Sem julgar o papel que tiveram e a sua relativa importância, estou farto de António's Calvário's, de Simone's de Oliveira, de Ary's dos Santos, de Carlos Paiões e de todas as outras santidades da nossa história recente. Aquilo que assistimos foi um tremendo exercício de saudosismo por um Portugal que já não existe, nem voltará a existir. Sei da importância da memória para a vida dos indivíduos e das comunidades, mas assim não, é decadente e atávica.
PS - assisti com toda a atenção e não gostei de nenhuma das 10 músicas em concurso. Assisti com toda a atenção aos momentos musicais produzidos pelo meu amigo José Lourenço e destaco o desempenho do Henrique Feist, que uma vez mais demonstrou ser um excelente artista.

08 março 2014

dumping generalizado

Desconfio até que já não é a primeira vez que eu verto para palavras este assunto.
Eu não percebo nada do assunto e nunca fiz qualquer esforço por entender da poda. Por outro lado, não serei um típico consumidor, daqueles que compram, compram e compram. Contudo, não posso deixar de me apurriar com aquilo que vou vendo por todo o lado, principalmente nos grandes altares do consumismo pós-moderno que são os shoppings. Como é possível que os comerciantes e os lojistas apresentem promoções durante meses e meses?! Como é possível apresentarem durante todo esse tempo descontos que em muitos casos chegam aos 70% do preço de venda?!... Alguma coisa estará errada, pois ou eles estão a vender abaixo do preço de custo, algo que não me parece razoável, sequer racional, ou então a margem de lucro com que habitualmente trabalham é de tal forma grande, que se podem dar ao luxo de perder mais de metade do seu lucro, algo que apesar de estranho me parece ser o que de facto acontece. Isto, a ser verdade, só revela o roubo que todos, enquanto consumidores, aceitamos durante o restante tempo sem promoções e o processo de globalização e a chegada de produtos manufacturados em países do terceiro e quarto mundo só vieram promover essa desregulação dos mercados. Nada contra a venda/compra de produtos e espécimes mais baratos ou muito mais baratos; tudo contra a venda/compra de produtos e espécimes mais caros ou muito mais caros do que aquilo que realmente valem. Atenção, desconfio que são corrêssemos atrás das promoções e as ignorássemos, os preços acabariam por descer substancialmente, acabando assim com toda a especulação.

07 março 2014

de todo o ano de 2013 e princípio de 2014

Não sei bem porque razão, mas talvez por distracção ou esquecimento, reparo agora que a última vez que aqui actualizei os livros que adquiri ou me foram oferecidos aconteceu em Dezembro de 2012. Por tanto, farei agora a referência àqueles que de lá e até ao presente entraram no acervo:
- Castro, Pe. José de (1946 a 1951), Bragança e Miranda, 4 volumes, Lisboa, Academia Portuguesa de História;
- Foucault, Michel (1998), As Palavras e as Coisas, Lisboa, Edições 70;
- Fernandes, Armando e Ferreira, Manuel (2011), Figuras notáveis e notórias bragançanas, Bragança, Fundação Mensageiro de Bragança;
- Centeno, Mário (2013), O trabalho, uma visão de mercado, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Silva, Filipe Carreira da (2013), O futuro do estado social, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Barros, Pedro Pita (2013), Pela sua saúde, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Rodrigues, Ernesto e Ferreira, Amadeu (coord.) (2013), A Terra de Duas Línguas II - antologia de autores transmontanos, Bragança, Lema d'Origem;
- Tiza, António Pinelo (2013), O Diabo e as Cinzas, Lisboa, Âncora Editora;
- Marques, Carlos Vaz (coord.) (2013), Revista Granta I, Lisboa, Tinta da China;
- Tiza, António Pinelo (2013), Mascaradas e Pauliteiros - etnografia e educação, Lisboa, Eranos - edições e multimédia;
- Sousa, Fernando de (2013), Bragança na época contemporânea (1820-2012) - volumes 1 e 2, Bragança, Câmara Municipal de Bragança;
- Mota, Francisco Teixeira da (2013), A liberdade de expressão em tribunal, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Osswald, Walter (2013), Sobre a morte e o morrer, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Aboim, Sofia (2013), A sexualidade dos portugueses, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Pereira, Alfredo Marvão (2013), Os investimentos públicos em Portugal, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Sarmento, Joaquim Miranda (2013), Parcerias público-privadas, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Rosa, Maria João Valente e Chitas, Paulo (2013), Portugal e a Europa: os números, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Jorge, Vitor Oliveira e Iturra, Raúl (1997), Recuperar o espanto: o olhar da antropologia, Porto, Edições Afrontamento;
- Menezes, Manuel (2011), Os fiados nas tabernas espelhos das realidades aldeãs: Alvite e Rio de Onor, Moimenta da Beira, Edições Esgotadas;
- Le Breton, David (2004), Sinais de Identidade - tatuagens, piercings e outras marcas corporais, Lisboa, Miosótis;
- Vieira, Ricardo (2009), Identidades Pessoais, Lisboa, Edições Colibri;
- Santo, Moisés Espírito (2006), Os Mouros Fatimidas e as aparições de Fátima, Lisboa, Assírio & Alvim;
- Marques, Carlos Vaz (coord.) (2013), Revista Granta II, Lisboa, Tinta da China;
- Mesquita, José Alegre (2012), Selores... e uma casa, Vila Nova de Gaia, Euedito;
- Moura, Vasco Graça (2013), A identidade cultural europeia, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos;
- Marques, Hermínio Cunha (1998), As alminhas no concelho de Carregal do Sal, Carregal do Sal, Câmara Municipal de Carregal do Sal;
- Câmara Municipal da Lousã (1986), Alminhas do concelho da Lousã, Lousã;
- Simpson, Duncan (2014), A Igreja Católica e o Estado Novo Salazarista, Lisboa, Edições 70;

LER... e mais um ciclo que termina


Saiu para as bancas hoje o número 133 da Revista LER e com ele a notícia, em editorial, de que este será o último número mensal da revista. A partir daqui a periodicidade será trimestral, regressando assim ao formato anterior a 2008. Compreendendo as dificuldades editoriais, lamento o desaparecimento desta que tem sido uma companhia assídua de alguns dias de cada mês. Aguardemos pelo novo formato e esperemos ser surpreendidos.

05 março 2014

sétima arte

Por estes dias em que tanto se fala de cinema, filmes, "oscars", vencedores e vencidos, dediquei algumas das minhas horas à arte. Assim e sem qualquer ordem cronológica, pude ver:
+ Blue Jasmine, com a bonita e talentosa Cate Blanchett numa personagem assombrosa;
+ Capitão Phillips, que vale por ficcionar algo que terá acontecido realmente;
+ De Bicicleta com Mòliere, de certa forma uma desilusão face às expectativas;
+ O Passado, intenso e marcante;
+ Golpada Americana, bem ao jeito de Hollywood;
+ O Lobo de Wall Street, com DiCaprio e uma alucinante narrativa;
+ O Conselheiro, e o seu excelente elenco;
+ Reasonable Doubt, sem merecer qualquer comentário;
+ A Rapariga que roubava Livros, com mais uma excelente prestação de Geoffrey Rush e uma história lindíssima;